quarta-feira, 2 de julho de 2014

Palavras amavelmente ignoráveis

Voe o mais alto que puder,
e, perceba!
Ninguém está embaixo
Ninguém está por trás.
Tudo sempre começa quando você está sozinho.
brincando de ser abandonado
você é o próprio brinquedo.
E por começar sozinho
espera-se uma mudança que seja,
por mais que seja simples.
Sagaz é a chegada da sutileza
caminhando em minha direção
e de contrário a mim.
Porém,
O amor, o medo, o sentir e o estar na solidão.
um dia fogem
e me deixam sozinho
(acompanhado)
Com os meus cumprimentos, alguém e mais ninguém.

1 comentários:

Carol Mauro disse...

Israel, você é perfeito cara!
Eu amei o seu poema, os primeiros versos são de uma poesia tão delicada e cuidadosa, eu amei, apenas amei e me vi em suas palavras

Postar um comentário